30% é um mundo (e não podemos aceitar)

“Tudo depende do ponto de vista” e “sempre dá pra ver o copo meio cheio” são frases que eu repito à exaustão. São tentativas – às vezes frustradas – de não deixar que as notícias ruins acabem com meus dias. Normalmente, quando a notícia é de que é 30% alguma coisa ruim, penso “mas, poxa, tem 70% bom”. Continuar lendo “30% é um mundo (e não podemos aceitar)”

Novas histórias para a Prainha

“Olha ali, a Prainha iluminada!”. Eu estava encantada em ver aquela cena. Deveria estar magoada pela demora que levou aquele lugar a ficar fechado por tanto tempo. Deveria estar querendo entender porque, depois do sucesso do Ramiro Ruediger como espaço de lazer, a Prainha não se tornou prioridade máxima. Mas, não. Eu só estava feliz. Continuar lendo “Novas histórias para a Prainha”

Estamos todos de ressaca

O enjôo da ressaca é diferente de qualquer outro. Primeiro porque raramente vem sozinho: o peso na consciência, o “por que não pensei nisso antes?” e o arrependimento são sintomas claros de que exageramos na dose. Tenho a impressão de que vivemos numa ressaca coletiva, que aflige seres humanos que têm em comum uma certeza: nada será como antes. Continuar lendo “Estamos todos de ressaca”

A árvore que viveu (e o sentimento de renascer)

Eu estou orgulhosa de Blumenau. Tenho muitos motivos para comemorar quando vivo numa cidade que consegue impedir o corte de uma árvore nem que, para isso, seja necessário desenhar (como as cores de giz de cera quase ironicamente riscaram o asfalto em frente à árvore), mesmo que seja necessário mobilizar, mesmo que seja necessário subir nos galhos para dizer que se a árvore morresse, morreríamos um pouco todos nós. Continuar lendo “A árvore que viveu (e o sentimento de renascer)”

Cerveja: finalmente estamos bebendo desta fonte!

Da logomarca da Capital Nacional da Cerveja não entendi muito. Mas uma coisa é certa: a data. Nossa primeira cervejaria é de 1860. Nos embebedamos e nossa ressaca durou algumas décadas até que nos redescobrimos. E essa é uma semana para comemorar o nosso aprendizado, que inibe o mal estar e não permite o tédio: o Brasil e o mundo estarão nos enxergando como referência na bebida. Espero que finalmente nos enxerguemos assim, de fato. Continuar lendo “Cerveja: finalmente estamos bebendo desta fonte!”